Artigo

Depressão Pós-Parto e Homeopatia

quarta-feira, 26 de abril de 2017 / Dr Marcus Cavalheiro

Voltar à lista de artigos

O Ciclo gravídico puerperal ( gestação - parto - pós parto ) é um período marcado por alterações emocionais bastante significativas tanto para o homem como para a mulher, podendo reforçar uma vivência  saudável do casal ou causar transtornos que caracterizam um momento de crise. 

A depressão é, hoje em dia, considerada problema de saúde pública, com prevalência anual na população geral de 3 % a 11%  , sendo 2 a 3 vezes mais frequente nas mulheres. A depressão é uma doença que afeta todo o organismo, comprometendo o físico, o humor, o pensamento e a vontade; não é sinal de fraqueza ou de falta de pensamento positivo e dificilmente se supera apenas com a força de vontade. 

Os sintomas mais comuns da Depressão em geral são : tristeza duradoura, perda do prazer, choro fácil, abatimento, alterações do apetite, distúrbio do sono, fadiga, irritabilidade, hipocondria, dificuldade de concentração e memorização, diminuição do interêsse sexual e pensamentos suicidas como fuga da situação.

 A depressão pós-parto ocorre em 10% a 20% das  puérperas, devendo-se diferenciar da disforia pós-parto ( blues puerperal ) que é um sentimento de tristeza e labilidade emocional ( choro fácil ) que se manifestam nos primeiros  dias após  o parto e regride  em torno do décimo dia. Na persistência dos sintomas depressivos, devemos atuar  para amparar e orientar a mãe e toda sua família sobre a depressão pós parto, livrando a mãe de qualquer sentimento de culpa por estar se sentindo mal quando deveria estar alegre.

Existem alguns fatores predisponentes e desencadeantes  da Depressão Pós-parto como : imaturidade psíquica, tendências perfeccionistas, antecedentes  pessoais ou familiares de depressão, ausência  da figura  materna adequada, ausência do pai do recém nascido, excesso de visitas  hospitalares ou domiciliares agravando o natural cansaço, dificuldades na amamentação, e outros.

A depressão interfere em todas as relações interpessoais, inclusive na interação entre a  mãe e seu bebê. As mães com depressão mostram afeto negativo e interagem menos com seus  bebês. Por  outro lado sues bebês olham menos para suas mães e expressam menor afeto positivo; aos 12 meses de vida, muitos destes bebês mostram baixo desempenho nos testes de desenvolvimento. 

Percebida a tristeza puerperal logo após o parto, é possível uma abordagem homeopática que,  identificando a susceptibilidade individual da paciente e os possíveis fatores causais da tristeza, escolha a melhor medicação homeopática individual para aquele caso específico, além do esclarecimento e orientação quanto à possível transitoriedade dos sintomas. Na persistência dos sintomas depressivos, aprofundamos o tratamento homeopático e indicamos o tratamento psicoterápico associado.

Devemos ter um cuidado especial em identificar os eventuais casos de Psicose Puerperal ( 1% das puérperas ), onde pode ocorrer um rompimento com a realidade e/ou risco aumentado de suicídio e infanticídio. Nestes casos pode ser necessário o uso de medicações psiquiátricas além de vigilância  materna 24 horas por dia. 

Concluindo, a Depressão Pós  parto é um fenômeno frequente, podendo ser prevenida com uma boa assistência médica e de enfermagem, orientando e amparando a mãe e seus familiares neste importante período de transição e utilizando os  recursos da homeopatia e psicoterapia pra tratar esta doença que interfere na maternidade, no relacionamento da mãe com  o bebê, com o cônjuge e com toda a família.    

Voltar à lista de artigos

Comentários (1)

Rosangela Fernandes

quinta-feira, 8 de junho de 2017 at 12:57:22

um artigo bem exclarecedor, muito bom!!!

Escreva seu comentário

Campos marcados com * são obrigatórios.