Artigo

Higiene Genital Feminina

domingo, 25 de setembro de 2016 / Dr. Marcus Cavalheiro

Voltar à lista de artigos

Higiene Genital Feminina

Existem mecanismos naturais de defesa do trato genital feminino, contra agentes infecciosos ou não. Entre estes mecanismos citamos a barreira epitelial, a secreção de muco protetor, o PH vulvar e vaginal, e a microflora vaginal.

Importante considerar que estes mecanismos de defesa têm expressão variável em cada etapa de vida da mulher.

Manter a área genital limpa e com a hidratação correta ajuda a manter a saúde e prevenir infecções. A área a ser higienizada compreende a região púbica, a vulva, o interior dos grandes e pequenos lábios e introito vaginal, a raiz das coxas e a região perianal. Ideal que após urinar ou evacuar, a mulher lave e seque adequadamente os genitais.

Outros cuidados adicionais, como preferir as calcinhas de fundo de algodão, evitando tecido sintético e o uso rotineiro de protetores que aumentam a temperatura local, ajudam a evitar a proliferação de fungos. Pela mesma razão o uso rotineiro de calças muito justas e com tecidos espessos devem ser evitados.

Como regra geral, os produtos empregados na higiene íntima feminina devem ser hipoalergênicos e não devem conter agentes germicidas para evitar agressão à flora vaginal, especialmente sobre os lactobacilos. Ao mesmo tempo, devem possuir alguma ação detergente para facilitar a emulsificação de gorduras e a remoção de resíduos aderentes à pele, pois a lavagem apenas com água só remove produtos orgânicos hidrossolúveis e não é eficaz na remoção de partículas sólidas e gordura.

Os sabonetes comuns geralmente pelo excesso de detergente e pelo seu ph alcalino ressecam muito a pele genital, promovendo prurido e até ardor. O sabonete íntimo ideal deve ser líquido, suave, para uso individual na genitália externa e não deve ser utilizado em duchas vaginais. Além disso seu PH deve ser próximo do PH vaginal e a adição de ácido láctico contribui para a manutenção do PH adequado e a proteção tecidual. Devem ser consideradas cada etapa da vida feminina na orientação da higiene íntima.

Infância

As meninas devem ser ensinadas a urinar com as pernas afastadas. A limpeza deve ser sempre da frente para trás após as evacuações. Lavar as mãos sempre após ir ao banheiro. A limpeza pode ser feita com produtos de PH entre 4,2 e 5,5.

Período Reprodutivo

Recomenda-se uso de produtos para higiene íntima com PH fisiológico, entre 3,5 e 4,5. Deve ser feita a limpeza do clitóris, local de acúmulo de secreção sebácea.

Após a relação sexual utilizar o mesmo produto externamente; não é necessário realizar duchas vaginais rotineiramente.

No período menstrual trocar os absorventes com a freqüência necessária com a devida higienização genital externa.

Menopausa

A deficiência de estrogênio própria desta fase, ocasiona uma mucosa vulvar e vaginal mais fina e frágil, portanto mais susceptível à traumas e infecções. Junto com a reposição estrogênica vaginal deve-se utilizar para a higiene vulvar e peri anal produtos hipo alergênicos com PH levemente ácidos e com ácido láctico.

Vale lembrar que é freqüente a perda urinária nesta fase, que, mesmo discreta, compromete a higiene local e favorece a infecção ; deve ser evitado o uso constante de absorventes higiênicos que também aumenta o risco de infecções urogenitais.

Produtos

Lembro aqui alguns produtos comerciais cuja indicação será mais precisa após a avaliação médica :

  • - Dermacyd - Infantil - PH neutro
                      Pró Bio - PH 3,4 - contem ácido lático
  • - Protex íntimo - com ácido lático – PH – 4,5 – 5,0
  • - Lucretin - Mulher - PH ácido - período reprodutivo
                      - Mature - PH neutro - menopausa
  • - Kronel - aroeira e leite de aveia - PH - 4,5
  • - Seba med - Sensitive - PH 3,8
                      - Menopause – PH 6,8

Fonte de consulta :
Artigo : Higiene genital durante as diferentes etapas de vida da mulher
Dr César Eduardo Fernandes

Voltar à lista de artigos

Escreva seu comentário

Campos marcados com * são obrigatórios.